NATAL DE CINZAS

Galos estrangulados pela treva
palpitam contra a dura solidão
de suas penas Enquanto a noite eleva
cristas e torres de desolação.

As horas vão tecendo a modelagem
dos sonhos por nascer: novos natais.
E um Deus Menino espalha, na passagem,
sobre todas as cinzas Sua paz.

Autor: 
Ângelo Monteiro
Livro: 
Didática da Esfinge

Comentários

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.