Palavra e mistério

Não sabemos até que ponto a palavra pode dar conta dos mistérios que nos cercam, presentes não só na fé mas na vida e na arte. Como poderíamos literalmente descrevê-los sem diminuí-los, em vez de concebê-los sob maior claridade? Por isso devemos fazer todo o possível para evitar que a palavra, em sua literalidade, deixe de ser instrumento de revelação, e se reduza a um indicador imediatista da realidade, como se a conhecêssemos por inteiro, e os seus mistérios não se constituíssem em alimentos incorporados a nós mesmos e convertidos em nossa verdadeira identidade.

Esse afã, portanto, de tentar explicar horizontalmente o real, põe sempre em risco a essência daquilo que se busca, sem dar lugar ao menor anseio de plenitude, para encobrir as barreiras inevitáveis da existência. E muitos permanecem presos entre duas únicas alternativas: a que pretende refletir os mistérios no espelho embaciado dos dias, ou a que costuma dar uma resposta niveladora a coisas que apenas guardam sentido quando marcadas pelo sinal da própria diferença. E, assim, ora se chega cedo ao fundo do poço, num neurótico apelo à maturidade, ainda ao custo de qualquer transcendência, ora se permanece infantil para não contrariar a uma familiar expectativa.

Diante das lições aprendidas numa velha lousa, ou da novidade borbulhante da última moda, não poucos decidem manter o fosco reino da sua opinião. Pois constantemente haveremos de nos encontrar com dois tipos de indivíduos: os avessos à mudança e os avessos ao mistério. Os primeiros sequer conseguem distinguir a manhã da tarde, porque desatentos aos reflexos e aos matizes da luz, e os segundos não passam de cortejadores da hora, para os quais a mais recente nova vale bem mais que a súbita descoberta de algo aninhado na alma do homem para o encontro consigo mesmo. E como as palavras do princípio não são muito diferentes das palavras do fim, todo bem que sonhamos haverá algum dia de estar plenamente de acordo com os fundamentos desse encontro.

Data da Publicação: 
11 Maio, 2016

Comentários

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.