MEDITAÇÃO SOBRE AS ÁGUAS

Nunca nos repetimos: ainda ante velhos fantasmas.
No búzio em que o escuto o mar não se perdeu.
No fluir dessas águas persigo a luz da esfera.
Nas margens desse mar que pátria renasceu?

Se a doutrina do mar não for a verdadeira,
as outras não o são. (Escuto o mar, que é meu.)

Tanta nave sobre essa antiga casa:
casa tão ampla ao nosso parco ser.
E onde a chave perdida
sobre as ondas que vêm e as ondas que vão?

Autor: 
Ângelo Monteiro
Livro: 
As Armadilhas da Luz

Comentários

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.