O MEU SONHO DILATA A VIDA AUSENTE

XXX
O meu sonho dilata a vida ausente

E os fantasmas que invento ficarão.
Por isso do meu sangue viverão
Para além do meu corpo no poente.

Se surgisse uma estrela de repente
E envolvesse meu corpo em seu clarão
Saberiam que atrás doutra estação
Voltei da minha foz para a nascente.

Se revolvo meus dias nesse ossário
Hei de romper o duro calendário
Das coisas que comungo sem prazer.

E outros homens - do Espanto que conjugo -
Flores rebentarão do velho jugo:
Outro povo farão resplandecer.

Autor: 
Ângelo Monteiro
Livro: 
O Exílio de Babel

Comentários

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.