PARTIU-SE MINHA MÃE COMO UM CRISTAL

Partiu-se minha mãe como um cristal
Que ainda doasse a sua integridade,
Apesar de ferido, ao sol mortal
Em que se traspassou em claridade.

Partiu-se e me deixou como sinal
Sua jovem presença sem idade
Que decifro na luz original
Ou recupero em sombra na saudade.

Às vezes que a presença lhe confundo
Com outras que recebo na voragem
Das faces que me envolvem neste mundo.

Mas quando a redescubro maternal
Pressinto que a poesia é uma passagem
Sempre ferida por um sol mortal.

Autor: 
Ângelo Monteiro
Livro: 
O Exílio de Babel

Comentários

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.