A FREDERICO HOLDERLIN

Com o amor impossível
De que o Verbo se gera
A Terra nos devolves
A Terra a Terra a Terra.

E ao mesmo tempo nos invades
Dessa ânsia dolorosa

Do Centro de ouro. Do Sol
Onde a palavra arranca os seus próprios acordes.
Entre as fibras do Sol, pastor adolescente
Que jamais envelhece os seus raios sem pó.

Ao elevar a hóstia do Dia
Para as nossas bocas,
Como nos tornas brancos, da brancura
Do amor e da loucura!

Pois os deuses em ti ainda nos dão destino
E a velhice é uma forma de cumprir o Sol.

Autor: 
Ângelo Monteiro
Livro: 
O Rapto das Noites ou o Sol como Medida

Comentários

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.