DÉCIMO OITAVO TEMA SEM JÚBILO

Como domar o Corpo, linha a linha,
tal se fosse um poema e, após, salvar-nos
da angústia de sabê-lo não durável?

Como manter o eterno em cada fibra
do Corpo, mar aberto sempre a mãos
suspeitas que não o amam mas o sangram?

Como crucificar-se e morrer nele
- único chão que a dor criou por pouso
de tanto vôo obrigado sobre a terra?

Onde maior vigília sob um teto
terrestre, afora essa vigília que arde
a sua vela sobre o altar vivente?

Como o tempo durar em tais limites
contidos para sempre e sempre frágeis,
de tão frágil e tão rude fortaleza?

Oásis ou deserto, por que clama
por ser tempo de pouso às caravanas
que, desvairadas, correm sob o sangue?

Firmamento de sombras, como o Corpo
será tempo de vôo, quando se fixam
mais profundas, na terra, as suas asas?

Autor: 
Ângelo Monteiro
Livro: 
O Inquisidor

Comentários

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.